1b

Bolivia TRINIDAD catalunia Angola portorico dominica Chile México India Israel malasia noruega Australia Mozambique colombia Equador Camboya Bulgaria Romenia Costa Guatemala Polonia Lanka Suiza Vietnam Panama Finlandia Belgica Tailandia Bhutan San Domingo Peru

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Membros da Sociedade Terra Plana não acreditam no planeta redondo

A MÃE DE TODAS AS TEORIAS DA CONSPIRAÇÃO

O Chefe de Redação

Quando caminhamos por aí, a Terra parece infinitamente reta. Como não percebemos a curvatura do planeta, aqui ao nível do horizonte, a nossa sensação natural é que ele seja plano.

E tem gente que leva os sentidos básicos ao pé da letra, a ponto de criar uma tal Sociedade Terra Plana.

Os membros da STP consideram todas as evidências contrárias — como fotos da esfericidade da Terra feitas por satélites –, como falsificações criadas por uma “conspiração da Terra redonda”, orquestrada pela Nasa e outras agências do governo dos EUA.

Esta crença, de que a Terra é plana, tem sido descrita como a maior das teorias conspiratórias. Mais do que isto: a mãe de todas as teorias da conspiração!

Não por acaso, segundo seus líderes, o número de crentes tem crescido na base de 200 pessoas (a maioria norte-americanos e ingleses) por ano, desde 2009.

E se a gente levar em conta a energia que dedicam em montar sua teoria no seu site, e as defesas que fazem de seus pontos de vista, eles parecem realmente, honestamente, acreditar que a Terra é plana.

Mas será que em pleno Terceiro Milênio o lance é sério? E, se for, como é que pode ser psicologicamente possível?

E NÃO É QUE ELES ACREDITAM?

Ao mesmo tempo em que rejeitam montanhas de evidências científicas de que a Terra é esférica, eles aceitam sem muito questionamento uma lista de afirmações que qualquer um chamaria de ridículas.

Confira: a principal teoria dos adeptos da STP afirma que a Terra é um disco com o círculo ártico no centro e a Antártida, um muro de gelo com 45 metros de altura na borda.

Segundo eles, funcionários da Nasa vigiam o muro de gelo para evitar que as pessoas subam até o alto e caiam (ou escorreguem) para fora do disco.

O ciclo de dias e noites é explicado pelo posicionamento do Sol e da Lua, que seriam esferas com 51 quilômetros se movendo em círculos de 4.828 km sobre o plano da Terra (as estrelas estariam em um plano 4.988 km acima).

Como holofotes, estas esferas celestes iluminariam diferentes partes do planeta em um ciclo de 24 horas. Além disso, haveria uma “antilua” que escureceria a Lua durante eclipses lunares.

A gravidade, para eles, é uma ilusão. Os objetos não são acelerados para baixo, mas é o disco da Terra que acelera para cima a 9,8 m/s², movido por uma força misteriosa chamada “energia escura”.

Por enquanto, ainda não chegaram a uma conclusão se a Teoria da Relatividade permite ou não que a Terra acelere para cima indefinidamente sem que o planeta ultrapasse a velocidade da luz (aparentemente as leis de Einstein se mantém nesta versão de realidade alternativa).
E o que tem abaixo do disco da Terra? Eles não sabem, claro, mas a maioria acredita que seja composto de “pedras” (como na primeira imagem deste post).

E há também a conspiração de que as fotos do globo são photoshopadas e os aparelhos de GPS fraudados para fazer os pilotos pensarem que voam em linha reta sobre uma esfera quando, na verdade, estariam voando em círculos sobre um disco.

O motivo pelo qual o governo esconderia a verdade sobre a forma da Terra não está bem claro, mas eles supõem que provavelmente tenha alguma motivação financeira secreta.

Segundo o site, “logicamente custaria muito menos falsificar um programa espacial do que ter um de verdade e, assim, os conspiradores lucram a partir do financiamento que a Nasa e outras agências espaciais recebem do governo”.

SÉRIO, NÃO É BRINCADEIRA!

Os adeptos da teoria da Terra plana seguem uma linha de pensamento chamada “método Zetético”.

E do que se trata? Uma alternativa ao método científico criado por um crente na Terra plana do século XIX, segundo o qual as observações dos sentidos são inquestionáveis.

Michael Wilmore, vice-presidente da STC, diz que “o método coloca bastante ênfase na reconciliação do empirismo e racionalismo, fazendo deduções lógicas baseadas em dados empíricos”.

Na astronomia zetética, a percepção de que a Terra é plana leva à dedução de que ela realmente deve ser plana, e a antilua, a conspiração da Nasa e todo o resto são apenas racionalizações de como isto funciona na prática.

Não duvide, os caras levam isto a sério, considerando que este é um modelo de astronomia mais plausível que o encontrado em livros de física.

Segundo Wilmore, alguns membros veem a sociedade e a teoria como um tipo de exercício epistemológico, seja como crítica ao método científico ou um tipo de “solipsismo para iniciantes”.

Mas há também os que apenas acham que a “certidão de sócio” da STC fica engraçada na sala de estar. Muitos membros, sem dúvida, estão convencidos desta crença. E o próprio Wilmore se diz um crente.

Estranhamente, tanto Wilmore quanto o presidente da sociedade, Daniel Shenton, acreditam que a evidência do aquecimento global é forte, apesar da maioria dela vir de dados de satélite obtidos pela Nasa, considerada o carro-chefe da conspiração da Terra redonda.

Além disso, vai entender, eles também aceitam a evolução e as principais teorias da ciência.

PSICOLOGIA DA CONSPIRAÇÃO

Todas estas crendices absurdas não surpreendem os especialistas.

Karen Douglas, psicóloga na Universidade de Kent, na Inglaterra, acha que as crenças deste grupo são coerentes com outros adeptos de teorias conspiratórias que ela já estudou.

Segundo ela, todas as teorias da conspiração compartilham a mesma estrutura: apresentam uma teoria alternativa sobre algum evento ou aspecto importante e constroem uma explicação geralmente vaga do motivo pelo qual alguém oculta a “verdadeira” versão dos eventos.

Quanto mais vaga a explicação, portanto, maior o apelo da teoria conspiratória.

Outro apelo destas teorias é dado pela forma com que os adeptos aderem à sua história.

Por exemplo, os crentes da teoria da Terra plana em geral são mais incisivos que a Terra é plana do que a maioria das pessoas sobre a Terra ser redonda (quando foi necessário você provar que a Terra é redonda?).

Além disso, o ponto de vista de uma minoria, apresentado de forma inteligente e que pareça bem concatenado, e quando os proponentes não se desviam de suas fortes opiniões, pode exercer bastante influência.

Em um estudo recente, os cientistas políticos Eric Oliver e Tom Wood, da Universidade de Chicago (EUA), descobriram que cerca de metade dos norte-americanos acredita em pelo menos uma teoria conspiratória.

Há uma propensão a acreditar em muitas ideias que contradigam diretamente uma narrativa cultural dominante. Segundo Oliver, as crenças em conspirações nascem da tendência humana de perceber forças invisíveis atuando, também conhecida como “pensamento mágico”.

Mas os crentes na Terra plana não se encaixam perfeitamente nesta imagem. A maior parte dos adeptos de teorias de conspiração adotam teses marginais, e até mesmo contraditórias. Os adeptos da Terra plana só se prendem à forma da Terra.

Segundo o mesmo Oliver, se eles fossem crentes comuns, teriam uma tendência para o pensamento mágico, como a crença em OVNIs, no demônio, ou em outras forças invisíveis.

Aparentemente não é este o caso, o que faz com que sejam bastante anormais em relação à maioria dos norte-americanos que acredita em teorias conspiratórias.
Fontes:
Mais um post by: UFOS ONLINE

                                              Veja o Vídeo Abaixo:


                                               Fonte:The Young Turks


                                              Fonte:Vsauce

Um comentário: