1b

Bolivia TRINIDAD catalunia Angola portorico dominica Chile México India Israel malasia noruega Australia Mozambique colombia Equador Camboya Bulgaria Romenia Costa Guatemala Polonia Lanka Suiza Vietnam Panama Finlandia Belgica Tailandia Bhutan San Domingo Peru

terça-feira, 7 de julho de 2015

67P : Pode haver Vida no Cometa que Recebeu a Missão Rosetta

Análises feitas por astrônomos ingleses sugerem que algumas características do cometa 67P, onde pousou a sonda Philae, podem indicar a presença de micro-organismos.

O cometa que recebeu a missão da sonda espacial Rosetta poderia abrigar vida, sugerem análises de computador feitas por uma dupla de astrônomos. Segundo Max Wallis e Chandra Wickramasinghe, cientistas especializados na busca de vida fora da Terra, da Universidade Cardiff, no País de Gales, algumas particularidades do 67P/Churyumov-Gerasimenko, como sua crosta negra e rica em materiais orgânicos e lagos gelados, provavelmente podem ser explicadas pela presença de micro-organismos sob a superfície congelada. A missão também parece ter encontrado aglomerados de material orgânico semelhantes a organismos de atividade viral.
Os astrobiólogos apresentarão as conclusões do estudo nesta segunda-feira (6), no encontro da Royal Astronomical Society, no País de Gales. Pelos dados, não é possível afirmar com certeza que há seres vivos no local. Só que os indícios fortificam ainda mais os cálculos de astrofísicos que apontam para a quase certa probabilidade de haver vida extraterrestre.
A missão da sonda Rosetta, que permitiu o pouso histórico do robô Philae no 67P, em novembro do ano passado, não tem equipamentos específicos para a busca de vida extraterrestre. Quando a missão foi concebida, há 15 anos, a vida em outros planetas parecia uma possibilidade muito distante. Mas, com o envio de missões como a Kepler, há cinco anos, e o avanço de telescópios capazes de visualizar e enxergar partes longínquas do cosmo, os cientistas perceberam que a vida microbiana pode ser ou ter sido uma realidade em outros corpos celestes. Nesse período, o campo da astrobiologia, área da astronomia que estuda a vida extraterrestre, se fortaleceu e os pesquisadores aprenderam a identificar e reconhecer marcas e pistas deixadas pela vida microbiana no Universo.
Descobrir algum vestígio, por mínimo que seja, desse tipo de rastro no 67P é importante, porque os cometas são considerados "restos" da formação do Sistema Solar que continuam vagando pelo espaço. De acordo com algumas teorias, eles podem ter sido os responsáveis por trazer a água, ou até mesmo vida, à Terra. Seu impacto na superfície, no princípio da formação do nosso planeta, poderia ter dado início à vida microscópica, que evoluiu para os tipos de seres vivos que conhecemos hoje.
De acordo com as análises dos astrônomos de Cardiff, os micro-organismos poderiam habitar os espaços gelados do 67P, mesmo em temperaturas menores que 40 graus negativos. Eles estariam envolvidos na formação das estruturas geladas e da matéria orgânica vista na superfície.
Os cientistas acreditam que a vida que existiria no 67P pode ser semelhante à dos extremófilos terrestres, organismos que conseguem sobreviver em regiões inóspitas, extremamente quentes ou frias. No entanto, é importante notar que a matéria orgânica encontrada no planeta pode ser o resultado de processos químicos que não envolvem, necessariamente, a presença de organismos vivos. O que daria origem às moléculas orgânicas e outras características do cometa ainda devem ser estudados em profundidade pela equipe da missão.
"Rosetta já mostrou que o cometa 67P não pode ser visto como um objeto congelado e inativo, mas abriga processos geológicos e poderia ser mais propício à vida microbiana que nossas regiões polares", afirma Wallis em um comunicado.
Missão Rosetta - Em meados de junho, a sonda Philae, que estava em hibernação desde o ano passado, deu sinais de nova atividade. A equipe internacional responsável pela missão decidiu estender as atividades de Rosetta, que estava prevista para terminar em dezembro deste ano, até setembro de 2016. O objetivo é recolher mais dados e ampliar as análises sobre o 67P/Churyumov-Gerasimenko.
Mais um post by: UFOS ONLINE

                                                 Veja o Vídeo Abaixo:


                                                   Fonte:DAHBOO77

Nenhum comentário:

Postar um comentário