1b

Bolivia TRINIDAD catalunia Angola portorico dominica Chile México India Israel malasia noruega Australia Mozambique colombia Equador Camboya Bulgaria Romenia Costa Guatemala Polonia Lanka Suiza Vietnam Panama Finlandia Belgica Tailandia Bhutan San Domingo Peru

terça-feira, 22 de julho de 2014

Físicos Russos Fazem o Teletransporte uma Realidade

       Foto: East News/Science Photo Library

O teletransporte deixa de ser um tema peculiar da ficção científica, afirmam cientistas russos do Instituto de Física de Moscou. No futuro próximo, será possível se deslocar a grandes distâncias sem aplicar um esforço físico e permanecer simultaneamente em dois lugares.

Não se exclui uma hipótese de teletransporte no espaço. É que existe um efeito físico chamado “confusão quântica”, ou seja, a capacidade de objetos quânticos de se distanciar e, ao mesmo tempo, não se dividir. 

Tal efeito não existe na física clássica. Mas os cientistas russos encontraram um método de conservar a “confusão quântica” durante a transmissão de informações em grandes distâncias. Tal fenômeno se chama teletransporte, disse à Voz da Rússia um dos autores do projeto, Serguei Filipov: 

“Não gostamos de ver novelos em desordem, quando a linha se confunde. Mas os físicos adoram confusões de vária índole. Nesses estados há uma correlação – o que acontece a um extremo da linha se relaciona com a outra extremidade. Essas correlações podem ser enviadas. Neste caso, as pessoas “distanciadas” serão correlacionadas, não tendo um comportamento independente”. 

Inicialmente, as pesquisas se centravam no estudo da qualidade de transmissão de sinais através da fibra óptica, sendo essa uma “comunicação quântica secreta”. Os cientistas descobriram um algoritmo que permita elevar ainda mais o nível de secretismo. Quanto ao teletransporte, este se tornou um efeito secundário. Por meio desse efeito será possível deslocar objetos e pessoas: 

”Por exemplo, você quer teletransportar uma pessoa. Mas para tal não é preciso transmitir seus átomos. Você tem uns 20 kg de oxigênio, 10 kg de carbono, um determinado volume de hidrogênio e toma tudo isso no outro extremo. Depois transmite a informação sobre a sua união e a composição gravada nos átomos. Do outro lado da linha, a partir dessa matéria recompõe aquela mesma pessoa”. 

Tal “montagem” é semelhante à holografia quando, mediante um laser, se registram e depois se reproduzem imagens de objetos tridimensionais, similares aos verdadeiros. 

Ora, não se trata de uma técnica especial de fotografar, mas sim de reprodução de um homem “em carne e osso”, com todos os traços específicos e características. Claro que a ciência ainda não alcançou tal patamar de desenvolvimento. 

Mas os cientistas apreenderam a teletransportar os fotões que desempenham um papel de “portadores” de informações transmitidas. Numa ponta do fio, os especialistas souberam criar um estado de micro objeto, idêntico ao existente do outro lado. Agora, será preciso empregar este princípio em sistemas mais complicados. 

Todavia, esta é uma tarefa difícil: quando o sistema cresce em volume, vai aumentando em flecha a complexidade de teletransporte. “É duas vezes mais complicado teletransportar dois átomos do que um, é oito vezes mais difícil teletransportar três átomos. Se queremos avaliar a possibilidade de teletransporte de um homem, devemos entender que o homem consiste de múltiplos átomos (10 elevado à vigésima quarta potência).
Mais um post by: UFOS ONLINE

                                             Veja o Vídeo Abaixo:


                                              Fonte:MysteriesOfTheWorld

2 comentários:

  1. Poderiam criar uma maneira de ressuscitar os mortos. Seria possível?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. adâmicos(Adão/Eva) hipérborea(nórdicos) lemurianos(gigantes) atlânticos(tbm gigantes) e nós arianos.
      o que eu disse é muito raso, mas se pesquisarem sobre, podem obter informações interessantes, e talvez até tampar alguns buracos.

      Excluir