1b

Bolivia TRINIDAD catalunia Angola portorico dominica Chile México India Israel malasia noruega Australia Mozambique colombia Equador Camboya Bulgaria Romenia Costa Guatemala Polonia Lanka Suiza Vietnam Panama Finlandia Belgica Tailandia Bhutan San Domingo Peru

domingo, 2 de fevereiro de 2014

Fim do Mundo tem Nova Data !!!

      Foto: Flickr.com/Truthout.org/cc-by-nc-sa 3.0

Os cientistas calcularam quando vão morrer todos os seres vivos na Terra. 
No futuro, o nosso planeta, devido à subida da temperatura no Sol, ficará tão quente que o homem ou perecerá, ou terá de ir viver para outro canto do Universo. 



Os investigadores calcularam quando é que a temperatura na Terra atingirá níveis críticos.
Os habitantes da Terra que se preocupam com o futuro do planeta podem não se preocupar. Durante os próximos 1.500 milhões de anos, a Terra irá existir e continuará a ser habitável. Semelhante conclusão foi tirada por cientistas do estado americano do Colorado. Graças a um modelo por eles criado, que permite simular os processos que ocorrem na Terra, foi possível esclarecer o seguinte: se a temperatura no planeta aumentar, em média, 1% em cada 110 milhões de anos, será atingido o ponto crítico de 40 graus centígrados na Terra precisamente dentro de 1.500 milhões de anos.
Essa temperatura irá fazer com que a água se evapore. 
A única coisa que poderá salvar a humanidade será a mudança para outros planetas mais favoráveis à vida. O futurólogo Serguey Moskalov não exclui esse cenário de desenvolvimento da vida na Terra, mas recorda que ele está longe de ser o único:
"Aqui há muitas possibilidades. Pode acontecer que faça muito calor e a água realmente se evapore. 


E visto que o homem é formado de água, se no planeta não tiver quantidade suficiente de água para manter a humanidade, esta começará a diminuir numericamente. Outro cenário é o resfriamento do Sol. Passará a fazer frio, tudo ficará coberto de gelo. 


                                      Teoricamente, poderemos passar para Marte."


Os cientistas já chegaram a conclusões semelhantes e o prognóstico do prazo da vida no nosso planeta não ultrapassava os 650 milhões de anos. Mas este número também não é muito exato, assinalam os especialistas. Ao modelar isso teve-se em conta apenas os processos naturais, sem a influência do fator das mudanças globais do clima tendo como fundo o aquecimento global. É precisamente ele que provoca a mudança de correntes oceânicas. A Corrente do Golfo muda a sua direção e, segundo os cientistas, poderá mudar completamente de direção e deixar de chegar à Europa. Isso provocará mudanças da temperatura do Oceano mundial, mesmo que em décimas de grau. Mas isso influirá na evaporação e nas condições de existência dos territórios ribeirinhos.
O geógrafo Arkadi Tishkov apela a não se entrar em pânico e a não fazer de fenómenos naturais da natureza guiões de filmes apocalípticos. Pois tudo o que acontece no planeta é cíclico e o que acontece hoje já aconteceu alguns séculos antes:

                                                 Geógrafo Arkadi Tishkov

"Situações análogas às atuais: gases de estufa e temperaturas médias do ar, repetiram-se muitas vezes na história da Terra. Na Europa se observou um período glaciar curto. Por exemplo, nos séculos XVI e XVII, quando os canais gelaram na Holanda, frios terríveis nas regiões Noroeste e Central da Rússia destruíram a agricultura. Para que tal situação se repita são necessárias mudanças radicais do clima. Elas podem, por exemplo, surgir devido a uma forte erupção de um vulcão. Mas isso são tudo possibilidades hipotéticas. Não se deve esperar quaisquer fenómenos apocalípticos, catastróficos num futuro próximo na Terra."
E por muito estranho que pareça, hoje vivemos num período glaciar. Isso significa que a temperatura no planeta e as dimensões dos cones glaciares nos polos, que nós consideramos normais, desviaram-se, na prática, da norma. Hoje, na Terra domina a chamada glaciação do Quaternário, que começou há mais de dois milhões e meio de anos atrás. De 100 em 100 mil anos, o calor aumenta, mas, depois, vem o resfriamento.
O atual período glaciaL terminará quando os cones de gelo nos polos começarem rapidamente a derreter. 


Por enquanto não se observa essa rapidez, mas já tem lugar o aquecimento significativo no Ártico. Isso conduz ao aparecimento de novos tipos de plantas e animais no Norte e, ao contrário, ao desaparecimento de tipos ártico, considera Mikhail Stichov, representante do Fundo da Natureza Selvagem WWR na Rússia:
"Realmente o tempo aquece. A cobertura glaciar, característica dos mares árticos, diminui. Todas essas consequências glaciares atingem conhecidos e importantes tipos árticos de animais: focas, ursos brancos. Tudo isso preocupa. O estado das feras deteriora-se, começam a aparecer doenças, desce a natalidade. Com a diminuição da cobertura glaciar, o aquecimento do ar e da água, começam a aparecer tipos mais meridionais. Aumenta a diversidade biológica do Ártico. Por enquanto não existem ameaças diretas, mas tudo acontecer de mau aos tipos árticos."
Depois de somar toda a experiência do passado, os cientistas afirmam que os habitantes da Terra, nas próximas décadas, irão viver num clima instável. E neste período irão ter lugar invernos anormalmente frios e meses de verão quentes como em África em lugares onde antes não se observava tal coisa. 



Irão aparecer novos tipos de plantas, mudarão os tipos de animais e desenvolver-se-ão organismos antes desconhecidos.
No que respeita ao aquecimento crítico, tendo em conta o caráter cíclico dos fenômenos climatéricos e a inconstância das temperaturas, isso não ameaça o nosso planeta nos próximos milénios.
Edição de Imagens:UFOS ONLINE


Um comentário: