1b

1

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

"NÃO PODEMOS VOLTAR A LUA" disse o Astronauta Scott Kelly

O astronauta Scott Kelly considera impossível que a NASA volte para a Lua

O astronauta da NASA, Scott Kelly, não vê com olhos ruins em retornar à Lua, embora não considere isso " viável ", nem que o ser humano vai para Marte nos próximos 10 anos com a tecnologia atual.
Astronauta Scott Kelly

Nem é claro que a NASA será a primeira agência espacial a alcançá-la. "Não sou muito otimista sobre o ambiente político que temos nos Estados Unidos", disse o americano, que mantém o registro de ser o homem que permaneceu no espaço o mais longo.

Kelly apresentou na segunda-feira, 22 de janeiro, "Resistência". Um ano no espaço ", um livro no qual ele reflete essa experiência e em que ele reúne suas memórias e aborda os desafios mais extremos que ele teve que enfrentar em sua missão na Estação Espacial Internacional (ISS).

Na sua opinião, a Lua é um bom cenário para praticar para depois enfrentar o Planeta Vermelho, mas não vê "viável" que você possa retornar ao satélite porque os planos da NASA, a esse respeito, mudaram.

"Realmente, a idéia de ir para a Lua não é uma proposta séria, não penso muito a sério", diz ele, referindo-se ao desejo de Donald Trump de voltar lá, que ele chama de "propaganda simples" e "publicidade".

Para retornar, Kelly diz que a agência espacial dos EUA teria que ter "um orçamento, um administrador ou um plano".

O astronauta também não é "otimista" com a idéia de que a NASA seja a primeira agência a pisar no Planeta Vermelho e acredita que este projeto será bastante internacional.

Scott Kelly passou 340 dias no espaço, durante o qual ele iria viver sujeito a não gravidade, radiação e altos níveis de CO2. O objetivo desta missão foi determinar se o corpo humano poderia suportar uma viagem a Marte.

Como observa o astronauta, "Resistência". Um ano no espaço 'é uma autobiografia que começa com sua infância e cujo "quadro" é esse marco espacial. "Mas também é a história da minha família, da NASA, sobre como encontrar inspiração", acrescenta.

Precisamente, um livro (Tom Wolfe 'Eleito para a glória, o que você precisa ter' foi o que o inspirou a se tornar um piloto da Marinha.

"Eu tomei inspiração que me acompanhou o resto da minha vida, vi coisas que me motivaram a fazer mais coisas que eu vi possível, e depois de alguns anos, eu voei" , diz o americano, que confessa que ele nunca acreditou que ele se tornaria Astronauta porque ele era "estudante ruim".

"Mas é importante ter sonhos, a chave é transformá-los em realidade". 
Antes de seu épico espacial, Scott Kelly já passou 159 dias na Estação Espacial. Segundo ele, a idéia de voltar ao espaço não o interessava no início, mas depois percebeu que queria "mais desafios" e retornar.

PREOCUPAÇÃO: O QUE ACONTECEU COM SUA FAMÍLIA NA TERRA

Para o astronauta, ficar longe da Terra há tanto tempo traz preocupações e angústia:

"Quando eu estava na ISS, na última vez o que me preocupava não era tanto minha segurança pessoal, mas o que poderia acontecer com minha família na Terra". 
Kelly comenta alguns dos episódios que ocorreram durante sua estadia a milhares de quilômetros do planeta, como quando ela soube que sua cunhada havia sido baleada, um evento no qual seis pessoas morreram.

"Eu tive uma experiência tremenda". 
No entanto, o "pior momento" que aconteceu foi quando ele recebeu uma chamada de emergência de sua filha de 21 anos. No final, descobriu-se que a comunicação era dizer-lhe que se sentia "sozinha".

"Há 7.000 milhões de pessoas lá embaixo, obtenha um". 
Juntamente com essas preocupações, a permanência no espaço permitiu que ele refletisse sobre o planeta e o meio ambiente:

"Nós só temos um planeta, temos que cuidar dele, parar a marca de mudança climática porque caso contrário, pagaremos o preço". 
"Você aprende um monte de empatia, para ser mais sintonizados com a humanidade, o planeta é incrivelmente belo, mas há sempre uma má notícia sobre o planeta e eu acho que passamos muito tempo no espaço têm uma perspectiva diferente do resto porque estamos conscientes para ser parte do todo, para poder resolver problemas comuns ". 
Kelly afirma perder algumas coisas quando ele estava tão longe da Terra: seus colegas de equipe e o trabalho que ele fez. Mas também água. "No espaço, não tomamos banho ou banhos", diz Kelly, então ele confessa que a primeira coisa que ele fez assim que pisou na terra foi pular em uma piscina.

"Mas também para sentir a chuva, o sol", lembra Kelly, que adverte que os seres humanos tomam muitas coisas por certo, como algo tão simples quanto sentado, algo que não acontece no espaço.

MUDANÇAS AO NÍVEL GENÉTICO

Apesar dos problemas de visão e de sofrer câncer de próstata, Kelly convenceu seus superiores de que ele era o candidato perfeito para a missão de 340 dias no espaço porque ele tinha um irmão gêmeo com quem eles podiam então comparar sua evolução físico em seu retorno.

"Houve algumas mudanças na genética, no DNA, meus telômeros são melhores agora, eles se alongaram". 
Os telômeros são regiões de DNA que estão localizadas nas extremidades dos cromossomos e são um indicador de idade física, de modo que, à medida que as pessoas envelhecem, encurtam.

"Talvez não seja sobre a fonte da juventude, mas esses são os resultados que foram observados, houve outras coisas sobre genes que ainda não foram entendidos, nada conclusivo foi retirado". 
Quanto à psicologia, ele afirma não ser "consciente" de ter experimentado mudanças.

Considerando isso, Kelly está aberto a viajar para Marte, embora com certas condições.

"Sim, supondo que você possa voltar, não estou interessado em viagens unidirecionais". 
TURISMO ESPACIAL: MAIS PRÓXIMO PARA O QUE PENSA

Por outro lado, o americano falou sobre a possibilidade de que o turismo espacial seja um fato no futuro próximo.

"Haverá turismo espacial, não em 15-20 anos, mas em 15-20 meses". 
Na sua opinião, será a empresa privada SpaceX que colocará um turista em órbita pela primeira vez, mas adverte que, para que isso aconteça, os riscos devem ser reduzidos.

"Eu não ficaria surpreso se em 100 anos alguém entrar em uma nave galáctica e chegar em Nova York em 20 minutos". 
Perguntados sobre a enorme despesa da exploração espacial, os astronautas se escondem atrás da natureza dos seres humanos:

"Se não estivéssemos curiosos ou os exploradores continuassem vivendo na selva, o desejo de explorar é o que nos fez avançar como uma civilização até o ponto em que estamos hoje".

"Não vi dinheiro na ISS, todo o dinheiro foi gasto na Terra, no pagamento de pessoal técnico altamente treinado, que tem outros efeitos na sociedade". 
Mais um post by: UFOS ONLINE

                                                    Veja o Vídeo Abaixo:


Nenhum comentário:

Postar um comentário