1b

Bolivia TRINIDAD catalunia Angola portorico dominica Chile México India Israel malasia noruega Australia Mozambique colombia Equador Camboya Bulgaria Romenia Costa Guatemala Polonia Lanka Suiza Vietnam Panama Finlandia Belgica Tailandia Bhutan San Domingo Peru

quinta-feira, 22 de junho de 2017

BRASIL - Imagem de uma Cruz em Rocha deixa Copacabana em Polvorosa! Um “Sinal Divino”?

Moradores associam a sinal divino, mas geólogos explicam que é um fenômeno natural

Rio - A acomodação de rochas no Morro São João, um maciço que divide os bairros de Copacabana e Botafogo, está deixando moradores da Zona Sul atônitos. É que boa parte deles jura enxergar no fenômeno, que é natural e vem ocorrendo ao longo dos anos, segundo geólogos, a formação de uma cruz gigante na encosta.

Quem reside em prédios ao redor da Praça do Lido ou nas proximidades da Praça Cardeal Arcoverde garante que a suposta cruz é um sinal para que a cidade, que atravessa uma fase de violência, tenha mais paz. Só no ano passado 5 mil pessoas foram assassinadas no Rio, segundo estatísticas do Instituto de Segurança Pública (ISP).

'Casca de cebola': desenho de suposta cruz é resultado de processo natural de encostas que se descascam
Daniel Castelo Branco / Agência O Dia

“Com certeza é um sinal divino para os cariocas. Fico até emocionada. Precisamos de tempos mais calmos, de mais compreensão, caridade e amor entre as pessoas”, justifica uma moradora, que se identificou apenas como Maria Lúcia, de 50 anos, e que diz ter sido a primeira a perceber “o milagre” no morro, que já tinha na paisagem o Corcovado e o Cristo Redentor. O detalhe também intriga o aposentado Juvêncio da Conceição, 64.

“Dependendo da hora e da posição que se olha, a gente vê perfeitamente uma cruz. Parece coisa feita delicadamente com as mãos. É de arrepiar”, confessa.

Ao analisar a imagem, a pedido do DIA, a diretora de Geologia do Departamento de Recursos Minerais (DRM-RJ), Aline Freitas, informou que o desenho da suposta cruz é resultado de “um processo natural de evolução de paisagens em encostas do tipo gnaisse facoidal, a mais carioca das rochas”. 

“Essa acomodação de rochas é conhecida como fraturas de alívio de pressão (horizontal) e de preenchimento (vertical), provocadas por descontinuidades do maciço. É um fenômeno conhecido como casca de cebola, muito comum. As encostas vão se descascando com o passar do tempo. Olhando de longe, as pessoas podem interpretar as novas formações como diversos tipos de imagens ”, comentou.

População em busca de amparo e fé

Para a psicóloga, psicanalista e terapeuta de famílias Márcia Modesto, é natural do ser humano buscar uma referência como proteção, principalmente no momento atual, onde, segundo ela, as pessoas estão diante de total descontrole social, político e econônmico, e sofrendo diariamente com a violência urbana.

“A ideia da concepção de Deus foi criada pelo próprio homem, para se sentir protegido. Então, em momentos de tantos contratempos, decepções e insegurança geral, é comum que as pessoas recorram à religião e seus fenômenos, para se sentirem amparadas de alguma forma”, ressalta Márcia.

A psicóloga diz que “enxergar sinais de fé”, como a suposta cruz no Morro de São João, é um alerta de que as pessoas precisam de ajuda. “Precisamos mesmo, especialmente de mais diálogo e serenidade”, completou.

Contatado no início da noite, o arcebispo do Rio, dom Orani João Tempesta, que estava viajando, não teve tempo de comentar o assunto, segundo sua assessoria.
Na orla, o melhor ponto de observação da ‘cruz da encosta’, é ao lado do Posto 2, em frente a Praça do Lido.
Mais um post by: UFOS ONLINE

Um comentário: