1b

Bolivia TRINIDAD catalunia Angola portorico dominica Chile México India Israel malasia noruega Australia Mozambique colombia Equador Camboya Bulgaria Romenia Costa Guatemala Polonia Lanka Suiza Vietnam Panama Finlandia Belgica Tailandia Bhutan San Domingo Peru

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Milhares de Cientistas e Personalidades Pedem a Proibição de “ROBÔS ASSASSINOS”

Milhares de cientistas e personalidades, incluindo o famoso astrofísico britânico Stephen Hawking e o co-fundador da Apple Steve Wozniak, lançaram na terça-feira um apelo pela proibição de armas ofensivas autônomas ou “robôs assassinos”.
“As armas autônomas escolhem e atacam alvos sem intervenção humana (…) e foram descritas como a terceira revolução na prática da guerra, após a pólvora e as armas nucleares”, argumentam os signatários de uma carta aberta, publicada na abertura da Conferência Internacional sobre Inteligência Artificial (IJCAI), em Buenos Aires.
“A tecnologia da inteligência artificial (IA) atingiu um ponto onde o uso destes sistemas é, praticamente e legalmente, factível não apenas em décadas, mas nos próximos anos”, afirmam vários professores e pesquisadores signatários, de Harvard, Berkeley e Cambridge a Liège (Bélgica), Paris ou da universidade Humboldt de Berlim. 
O famoso empreendedor de alta tecnologia Elon Musk – dono da Tesla (carros elétricos), SolarCity e SpaceX (tecnologia espacial) – o prêmio Nobel de física Frank Wilczek e o co-fundador do Skype, Jaan Tallinn, também aparecem entre os signatários da petição. 
Estes robôs assassinos, que poderiam tomar a decisão de matar sem controle humano – diferentemente dos drones, que necessitam da intervenção humana – preocupam cada vez mais a ONU, cientistas e defensores dos direitos humanos. Duas reuniões de especialistas no tema já ocorreram em Genebra, no âmbito da Convenção da ONU sobre o uso de armas ‘clássicas’. 
Os críticos temem que estes robôs não sejam capazes de diferenciar entre civis e combatentes, ou que programem ataques desproporcionais sobre populações inocentes. 
Estas armas do futuro podem interessar os militares, já que reduzem o risco de perdas humanas no campo de batalha, mas “diminuem também o custo de um envolvimento no combate” e fazem temer uma nova corrida bélica, ressaltam os signatários. 
“Diferentemente das armas nucleares, estes robôs não precisam de caros investimentos ou de matérias-primas difíceis de obter. É apenas questão de tempo até que elas apareçam no mercado clandestino e caiam nas mãos de terroristas, ditadores e ‘senhores da guerra’ que desejem perpetrar uma limpeza étnica, por exemplo”, garantem. 
A inteligência artificial “oferece um grande potencial para o benefício da humanidade”, mas não deve ser “descreditada” pela criação de armas ofensivas, insistem. 
Uma proibição de armas que ainda não existem seria algo inédito. Em 1998, lasers que provocam cegueira foram proibidos antes de serem desenvolvidos em grande escala.
Fonte: Yahoo!
Mais um post by: UFOS ONLINE
                                         
                                         Veja o Vídeo Abaixo:


                                           Fonte:Wall Street Journal

Nenhum comentário:

Postar um comentário