1b

Bolivia TRINIDAD catalunia Angola portorico dominica Chile México India Israel malasia noruega Australia Mozambique colombia Equador Camboya Bulgaria Romenia Costa Guatemala Polonia Lanka Suiza Vietnam Panama Finlandia Belgica Tailandia Bhutan San Domingo Peru

domingo, 26 de maio de 2013

AGARTHA INTRATERRENOS TERRA OCA, COM SERES ALTAMENTE EVOLUÍDOS!!!

Até agora discutia-se imensamente a localização das embocaduras polares, visto que os satélites pouco ou nada mostravam. As diversas teorias para a localização das embocaduras polares assentavam na existência de uma embocadura polar com uma curvatura bastante pronunciada com um raio de várias centenas de quilometros. 
Assim não foi até agora possível provar a saída da luz do sol interior que ilumina Agartha, nome dado à parede interior da parte oca da Terra. 
No início do século XX, era a tentativa de representar as embocaduras no pólo norte e no polo sul, com uma curvatura enorme de centenas de quilómetros de diâmetro. 
Em Vénus, existem não uma embocadura polar, mas duas duplas embocaduras, uma no polo norte e outra dupla embocadura no pólo sul. 
A NASA publicou recentemente um conjunto de fotos sobre as auroras, dando origem a vários filmes, muito rápidos. Os olhos profundamente treinados dos técnicos da NASA, não deram para perceber um pormenor muito interessante e que só outros já especialistas na área dos mundos intraterrenos pode perceber.
Dean e outros membros do grupo de discussão dos temas da Terra Oca, mailto:allplanets-hollow@yahoogroups.com, o endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript ativado para o visualizar, repararam com os seus olhos perspicazes e alertaram para esta surpreendente descoberta.
Poderemos assim dizer que está no buraco preto a fonte donde emana toda a luz, mas depois com a deslocação do satélite essa luz deixa de se ver. 
A seta aponta o buraco de onde emana a luz

Aqui neste diapositivo a luz que emana do buraco,
atingiu o máximo de amplitude.

Assim com tão pouca definição é difícil dizer quais são as coordenadas do buraco, mas vendo o mapa da Antárctica é possível que esteja em 80º de Latitude Sul e 80º de Longitude.
Concluir que a luz sai pela embocadura da Antártida diverge, das propriedades das leis da óptica. O satélite quando passou fotografou aquela divergência de luz vinda do sol interior e seguiu no seu caminho, daí dar a sensação que a terra está a rodar, quando neste caso era o satélite que continuou o seu caminho.
Para que se possa analisar devidamente esta questão das luzes que saem do buraco na Antártida é necessário dizer que a teoria oficial, não reconhecedora dos planetas ocos, afirma que as auroras são resultantes do impacto do vento solar no campo magnético terrestre. Por sua vez houve um incidente que veio a demonstrar o contrário. E se houver um período de dias no qual a Terra não seja afectada pelo vento solar? Assim, entre o dia 10 e 12 de Maio de 1999, o vento solar praticamente parou, ficando reduzido a meros 2% da sua atividade e foram vistas luzes que emanavam nos dois pólos. 
Vários satélites detectaram a presença de electrões similares aos da coroa solar, sugerindo que os mesmos poderiam ser amostras de partículas do sol. 
Ora neste caso as luzes que vemos sair da Antártida também poderia ser igual às partículas solares detectadas entre 10 e 12 de Maio de 1999, resultantes do sol interior terrestre, que ilumina a parte oca terrestre.

Nesta imagem do pólo sul, tirada no dia 11 de Maio de 1999,
no tal período sem vento solar, luzes são vistas

O pólo Norte nesse dia 11 de Maio de 1999,
também são vistas essas luzes

A Terra, diferentemente daquilo que se vê em Vénus, Júpiter e Saturno, parece ter embocaduras polares de reduzidas dimensões. O Artico é enorme por isso se a embocadura norte for igual à do sul, poderemos ter algo com uns 40 a 60 Km de diâmetro o que é perfeitamente desprezível numa área tão grande, portanto terão que investigar grandes áreas.
Houve navegadores que viram no Artico, luzes saírem do mar. No livro The Phantom of the Poles escrito por William Reed e publicado pela Walter S. Rockey Company de New York em 1906 é relatado que o explorador D. L. Brainard em 16 de Novembro de 1882, pagina 99. Viu um pequeno feixe de luz emergindo das águas do mar, naquilo que é hoje conhecido como canal Bellot.
Fotos tiradas de satélite na banda dos ultra-violetas mostram a existência de uma zona de maior intensidade entre as Svalbarg e a Ilhas Terras do Norte, conforme mostra a imagem acima.
No caso da Teoria da Terra Oca, poderíamos dizer, que poderá estar ali a embocadura que trás o vento quente do interior e para onde migram os patos que param para descansar no arquipélago das Svalbarg e depois são vistos a irem sempre para norte. Esta área vermelha também poderá estar inserida dentro da zona que a expedição do Mr Agnew ao Artico está a organizar [até aos 84.4º graus N e 141º graus Este].
A foto da aurora na Terra é muito pequena e dá pouca informação quanto à sua real localização, mas dá para ver que não é nos 90 graus.

Richard Byrd

A história de Richard E. Byrd – um dos maiores exploradores americanos e Contra-Almirante da Marinha dos EUA – nos trás, talvez, a mais significativa experiência referente à Terra Oca! Existem correntes de historiadores sérios que afirmam que ele não só conseguiu descobrir, como penetrou no interior da Terra, através das aberturas dos Pólos Norte e Sul, isto além de outros acontecimentos bastante impressionantes. Consta que numa expedição lá pelos anos de 1946, após o término da 2ª guerra mundial, os americanos mandaram Byrd para a Antártida (por ser ele grande conhecedor da área), para a tomada da base nazista/alemã de “Neu-Schabenland” (um local ligado à povos moradores de bolsões intraterrenos). Cerca de 6.500 homens, com uma grande frota de navios, porta-aviões lotados de aeronaves e submarinos, faziam parte desta expedição, a qual resultou num grande fracasso, pois tiveram que fazer uma retirada “forçada”, com um total de 1.500 baixas entre homens e veículos aéreos e navais. Ao regressar para os EUA, passando pelo Chile, Byrd afirmou que teve de desistir mediante o desaparecimento de navios e aviões na sua frente, de forma inexplicável (simplesmente sumiam)! Bem como o aparecimento de inúmeras aeronaves que voavam sobre eles, numa velocidade impressionante, num processo totalmente desconhecido dos conceitos tecnológicos da época! Em 1947.



 Byrd foi numa outra expedição, desta vez para o Continente Ártico, onde consta que após ter chegado lá, voou durante sete horas sobre florestas e terras descongeladas, inexistentes em seus mapas! De acordo com Amadeo Giannini, em seu livro “Mundos Além dos Pólos” e Ray Palmer (do qual falaremos logo a seguir), estes afirmam que o Almirante Byrd, nesta ocasião, comunicou por rádio que não via neve debaixo dele, mas sim montanhas, bosques, vegetação, lagos e rios, e um estranho animal muito parecido com um mamute... (Mamutes = animais parecidos com elefantes e extintos da superfície terrestre há cerca de 12 mil anos).

Sendo que o mesmo aconteceu numa nova expedição para a Antártida, em 1956, voando novamente sobre terras descongeladas, quando Byrd afirmou ter explorado 3.700 km “além do Pólo Sul”, expressando-se de que este local era “um continente encantado no céu, terra de mistério permanente”. Algumas teorias acreditam que Byrd encontrou a “Cidade Arco-Íris” – berço de uma famosa civilização perdida. Todas essas ocorrências denotam situações estranhas aos conhecimentos científicos que nos são repassados (desmaterialização de navios e aviões, aeronaves diferentes das nossas em aparência e tecnologia, locais com florestas nos pólos, etc.), o que implica na existência de uma civilização muito mais avançada do que a nossa, morando nas entranhas de nosso Planeta, por onde Byrd sobrevoou, após ter atravessado as “aberturas polares” da Terra Oca! Ou seja, Byrd não sobrevoou por sobre os pólos, mas sim dentro dos grandes buracos que levam ao interior da Terra! Não existe outra explicação plausível, pois aquela dada pela ciência, de que as pessoas acabam sofrendo “alucinações” em viagens à lugares distantes e isolados, isso é ridículo. Até porque tais alucinações impediriam um retorno “lúcido” aos seus locais de origem, e até mesmo “um retorno” propriamente dito, já que um indivíduo alucinado dificilmente encontraria o caminho de volta nessas condições, levando em conta que eles não dirigiam “carrinhos de brinquedo” em terra firme! Esse tipo de explicação só é aceita por pessoas totalmente desprovidas de outras informações psico-emocionais do ser humano!
Planeta Terra
visto das imagens do satélite Google Earth.

Ray Palmer

Ray Palmer, por sua vez, em 1970, conseguiu fotos incríveis do Pólo Norte, fornecidas pelo Enviromental Science Administration – do Departamento do Comércio Americano, com uma significativa área escura bem no centro do continente polar, o que foi “justificada” posteriormente (dado o extravasamento da informação), como sendo que “o “escuro” se dava em virtude do inverno ártico”!!! Acreditem se quiser!!! O gelo ficou preto, durante todo o inverno, dia e noite???


No Brasil, estudos feitos por Ailton Ribeiro de Novaes – militar da nossa aeronáutica – considerado como, talvez, o maior pesquisador deste assunto no nosso País, também mostram fortes indícios da existência da “Terra Oca”.
Enfim, muitos são aqueles que são coniventes com a Teoria da Terra Oca, levados por suas pesquisas científicas e/ou experiências pessoais, nos mais variados níveis e situações diferenciadas, mas, à estas pessoas, nunca são dados os devidos créditos, o que nos leva a crer que interesses outros de religiões e governos, interferem significativamente, para que a humanidade desconheça tais verdades... Mas, isto está prestes a acabar...

Descoberto na Sibéria mamute congelado tecido
 "com a cor da carne fresca"
Vejam que esta noticia é de 25 de maio de 2013

Um grupo de cientistas descobriu as ilhas Lyakhov na região russa de Yakutia (Sibéria oriental) do sexo feminino restos de um mamute em bom estado.
Os pesquisadores por trás da descoberta, da Universidade Federal do Extremo Oriente, e seus colegas da Sociedade Geográfica Russa, determinaram a idade do animal pré-histórico por seus dentes: o  mamute foi quando ele morreu entre 50 e 60 anos. "tecidos moles o mamute está quase perfeitamente preservado. fragmentos musculares encontrados fora do corpo tem uma cor vermelha natural da carne fresca ", disse o líder da expedição, Semyon Grigoriev, diretor de Lazarev o ​​Museu Nacional Mammoth '."  Eles encontraram permanece Animais dispersos em diferentes localizações. A parte inferior do corpo foi incorporado em gelo, de modo que o tecido muscular foi preservado perfeitamente. A top foi encontrado no meio da tundra, enquanto o tronco parecia separada das duas primeiras partes. investigadores russos estão aguardando a chegada de seus homólogos estrangeiros para a análise conjunta. Enquanto isso, os cientistas analisam os restos de mamute para possíveis patógenos e infecções perigosas.
Fontes:

Veja os Vídeos Abaixo:


                                               Fonte:artemorilla


                                               Fonte:ennis39

Obs:             Tanto no polo sul quanto no polo norte
 existe proibições de chegada em tais áreas, porque será?

Um comentário:

  1. tem misterios que talvez nuca sejam revelados ou descobertos...

    ResponderExcluir