1b

Bolivia TRINIDAD catalunia Angola portorico dominica Chile México India Israel malasia noruega Australia Mozambique colombia Equador Camboya Bulgaria Romenia Costa Guatemala Polonia Lanka Suiza Vietnam Panama Finlandia Belgica Tailandia Bhutan San Domingo Peru

quarta-feira, 3 de abril de 2013

O Grande Cometa do Natal de 2013!!

PETER MOON (TEXTO) E RODRIGO FORTES, ALEXANDRE LUCAS E MARCO VERGOTTI (GRÁFICO)
O cometa ISON passará perto da Terra em 26 de dezembro. Se realmente ele vier a ser o mais brilhante da história – como se acredita –, o espetáculo será inesquecível.
No Natal de 2013, a Lua, coitada, perderá parte de sua majestade. Sua imagem poderá ser ofuscada pelo brilho de um novo rival, talvez o cometa mais brilhante já avistado pela civilização. Foi descoberto em 2012 por astrônomos russos do observatório ISON, no Cáucaso. E acabou batizado com o mesmo nome. O ISON ainda está longe, além da órbita de Júpiter, mas a partir de outubro poderá ser visto a olho nu. Em 26 de dezembro, atingirá sua maior aproximação da Terra, 63 milhões de quilômetros, um terço da distância daqui ao Sol. Será um evento único. Quem perdê-lo terá de aguardar 10 mil anos até a próxima visita. “Este cometa pode vir a ser tão brilhante quanto a lua cheia”, diz o astrofísico Gustavo Rojas, da Universidade Federal de São Carlos. Na escala astronômica de brilho, quanto menor é a magnitude, maior é o brilho. A lua cheia tem magnitude -12,7. O ISON poderá atingir magnitude -13 ou inferior. O cometa mais brilhante do século XX foi o Ikeya-Seki, de 1965, de magnitude -10. Cometas são compostos do material que sobrou da formação do Sistema Solar, há 4,6 bilhões de anos. Quando eles se aproximam do Sol, o gelo derrete para formar longas cabeleiras – a cauda. O brilho atual do ISON decorre de seu gelo, que é livre de impurezas e, portanto, reflete bem a luz solar. Mas brilho presente não é garantia de brilho futuro. Se o gelo da superfície, ao derreter perto do Sol, revelar camadas inferiores de gelo mais escuro, o brilho será menor. “É comum os astrônomos esperarem brilho intenso, e isso não acontecer”, diz Rojas. As projeções mais otimistas mostram que o ISON poderá adquirir uma cabeleira que se espalhe por metade do firmamento. 


Fonte: http://revistaepoca.globo.com 

                                             Veja o Vídeo Abaixo:


                                                Fonte:NTDSpanish

Um comentário:

  1. Creio haver muita desinformação aí. Sugiro atenção ao site jmccanneyscience.com sobre este assunto. Para quem conhece inglês as maiores informações são em áudio - infelizmente não é o meu caso então precisei me deter ao pouco que pude obter por tradução escrita. O conteúdo parece ser muito mais coerente e confiável.

    ResponderExcluir