1b

Bolivia TRINIDAD catalunia Angola portorico dominica Chile México India Israel malasia noruega Australia Mozambique colombia Equador Camboya Bulgaria Romenia Costa Guatemala Polonia Lanka Suiza Vietnam Panama Finlandia Belgica Tailandia Bhutan San Domingo Peru

sábado, 13 de abril de 2013

MIB - Homens de Preto

Sera que os famosos homens de preto, Men in Black existem, e estão trabalhando para acobertar casos que envolvam UFOS? Desde a década de 50 ele vem sendo levado a sério por muitos ufólogos.
A maior parte das pessoas que assistiram aos filmes Men in Black I e II deve imaginar que esta é apenas mais uma produção de Holywood baseada em histórias em quadrinhos clássicas. Na verdade, os Homens de Preto fazem parte do folclore ufológico americano desde a década de 50, sendo levados a sério por muitos ufólogos. Em uma pesquisa realizada em um site ufológico brasileiro, por exemplo, 78% dos votantes disseram acreditar que estes misteriosos agentes, que abordariam testemunhas e pesquisadores de aparições de ÓVNIS, realmente existem. Será?

O mito
Os Homens de Preto (M.I.B.) são seres que aparecem em qualquer lugar onde aparições importantes de ÓVNIS tenham acontecido. Alguns dizem que eles são agentes do governo americano, outros dizem que são extraterrestres. Ou então que são agentes americanos que fazem parte de um esquema secreto de cooperação com os extraterrestres... De qualquer forma, sua missão seria a de encobrir avistamentos de naves extraterrestres. Para isso, eles avisam testemunhas e pesquisadores para que não divulguem suas informações, fazendo diversos tipos de ameaças e apreendendo evidências materiais.
A concepção clássica de um M.I.B. é um homem de idade indefinida, de porte médio e totalmente vestido, obviamente, de preto. Sua aparência é descrita como estranha, com uma forma mecânica de falar e andar, o que fez com que fossem comparados a robôs ou andróides. O tecido de seus ternos pretos seria estranhamente brilhante e fino, diferente dos tecidos conhecidos.
Combinando com suas roupas, os carros que os M.I.B. dirigem são sempre pretos e em geral grandes e caros. Os carros apresentam símbolos desconhecidos nas laterais e suas placas são irreconhecíveis. Em geral eles andam com os faróis apagados, mas o seu interior é iluminado por luzes "fantasmagóricas" verdes ou púrpuras. Os M.I.B. também teriam sido avistados em helicópteros (pretos, é claro) e até mesmo em discos voadores.
A aparência misteriosa dos M.I.B. é complementada por relatos estranhos, como o de que teriam sido vistos cruzando um campo encharcado após fortes chuvas e chegando ao outro lado sem nenhum traço de lama em seus sapatos brilhantes. Ou então vestiriam apenas um fino casaco em dias de um frio congelante. Uma testemunha teria sido visitada por um M.I.B. que apresentava um fio verde implantado ao longo de sua perna (exposto quando a perna de sua calça subiu ao sentar-se). Um M.I.B. teria desintegrado uma moeda em sua mão, avisando à testemunha que o mesmo aconteceria com seu coração se ela contasse o que tinha visto.
Talvez a teoria mais exótica sobre os M.I.B. diz que eles seriam representantes de uma "Nação do Terceiro Olho": "Baseados em algumas informações que conseguimos, podemos afirmar que Sírius tem estado em contato conosco por um longo tempo. De acordo com George Hunt Williamson (um dos primeiros contatados), em seu livro “Other Tongues, Other Flesh", os aliados de Sírius na terra, ou seja, as sociedades secretas, usam o Olho de Hórus como uma insígnia. Este também tem sido o símbolo dos M.I.B.. Sociedades secretas acreditam que há um local na Terra, chamado Shambala, que eles consideram o centro espiritual do mundo, também conhecido como Grande Loja Branca. Agora, teósofos tais como Alice Bailey dizem que a Grande Loja está em Sírius. Se o "Olho-Que-Tudo-Vê" é um símbolo dos aliados de Sírius na Terra, e os M.I.B. usam este símbolo, e se Shambala representa a Grande Loja Branca na Terra - então os M.I.B. são emissários de Shambala. Sírius e Shambala são dois lados de uma mesma moeda. Isto é comprovado no livro "The Undiscovered Country", de Stephen Jenkins. Jenkins ouviu de sacerdotes budistas que Shambala se localiza na constelação Órion.”.
As origens
A primeira aparição registrada dos M.I.B. foi relatada por Albert K. Bender, editor de uma revista ufológica chamada Space Review. Em outubro de 1953, ele publicou um comunicado informando que havia descoberto informações que iriam desvendar o mistério dos discos voadores, mas não poderia publicá-las por ter recebido ordens contrárias.
Bender alertou para que outros pesquisadores do ramo tomassem muito cuidado e sua revista deixou de ser publicada após este número. Mais tarde, Bender relatou, em uma entrevista, que havia sido visitado por três homens usando ternos pretos que haviam ordenado que ele parasse de publicar material relacionado a discos voadores. Esta história foi posteriormente contada em mais detalhes em seu livro "Flying Saucers and the Three Men in Black" (1962).
Em 1956, a lenda dos M.I.B. foi reforçada com a publicação de "They Knew Too Much about Flying Saucers", livro escrito por Gray Barker. Barker era o investigador chefe da organização ufológica chefiada por Albert Bender (o International Flying Saucer Bureau), dissolvida rapidamente após a suposta visita dos M.I.B., e compilou em seu livro inúmeros relatos de encontros com M.I.B. (incluindo o de seu colega). Estes relatos viriam a ser transformados em histórias em quadrinhos por Lowell Cunningham, na década de 80.
Gray Barker tornou-se, ao longo de seus trinta anos de carreira, um dos escritores mais prolíficos da ala mais fanática da ufologia americana. Um de seus colegas foi John Keel, escritor responsável pela introdução da abreviação M.I.B. Keel, que sugeriu a ligação dos M.I.B. com a "Nação do Terceiro Olho", escreveu o livro "The Mothman Prophecies", recentemente transformado em filme (lançado no Brasil com o título "A Última Profecia"). Neste livro, Keel apresenta um relato de supostas aparições que teriam ocorrido em uma pequena cidade americana, incluindo um misterioso pássaro gigante, ÓVNIS e, é claro, os M.I.B.
Outro documento interessante na história dos M.I.B. foi o chamado relatório Krill, disseminado no final da década de 80. De autoria de um suposto Dr. O.H. Krill e entitulado "Um relatório a respeito de nossa aquisição de tecnologia avançada e de nossa interação com a cultura alienígena", o relatório Krill  faz extensas considerações sobre os M.I.B., incluindo descrições de relatos e sua ligação com uma civilização extraterrestre em Sírius. 

Segundo este documento, a primeira aparição documentada dos M.I.B. teria ocorrido em 1947, nas ilhas Maury, onde dejetos caídos de um disco voador teriam sido recolhidos por oficiais americanos e colocados a bordo de um avião que viria a se acidentar durante a decolagem.
Em 1991, outro livro sobre os M.I.B. foi publicado: "The Ufo Silencers: Mystery of the Men in Black", de autoria de Timothy Green Beckley. Outro autor prolífico, a lista de assuntos abordados por Beckley é, digamos, curiosa. Defensor da teoria da Terra oca, Beckley coleciona relatos sobre o assunto em seu livro "Subterranean Worlds inside Earth". Um destes relatos é de um soldador em uma fábrica de automóveis em Detroit que começa a ouvir vozes misteriosas durante o trabalho. Investigando as vozes, ele descobre que elas vêm de uma raça subterrânea chamada "Deros" (abreviação de "degenerate robots" - robôs degenerados). Já em "Smoky God and Other Inner Mysteries", Beckley relata uma entrevista com um habitante de uma civilização subterrânea! Outros de seus livros abordam as profecias de Fátima e Nostradamus, o fenômeno ufológico e, talvez o mais interessante, o chamado Conde de Saint German, o homem mais misterioso que já viveu. A descrição é bem adequada, já que ele viveria há séculos sob uma variedade de disfarces que incluem Cristóvão Colombo e Francis Bacon (sob cuja identidade teria escrito todas as peças de Shakespeare).
Levando em consideração os outros textos de Beckley, seu livro sobre os M.I.B. talvez não seja a fonte mais confiável de informações, mas, de qualquer forma, ele oferece um relato mais detalhado do incidente das ilhas Maury e sugere que estes seres estariam ativos há séculos. Por exemplo, ele cita a "misteriosa" origem do Selo dos Estados Unidos, que teria sido entregue a Thomas Jefferson, em uma noite em que este andava por seu jardim, por um homem vestindo uma capa preta - um M.I.B. ? O selo seria uma reprodução da cidade perdida de Petra, onde teria vivido uma raça misteriosa muito avançada tecnologicamente para sua época. Beckley também é o autor de uma foto que seria a única existente de um M.I.B., flagrado em frente à casa de um editor de uma revista ufológica.

O outro lado da história
Existiriam indícios de que os M.I.B. não passam de personagens fictícios, perpetuados em meio ao folclore ufológico? Sim, existem. Vamos a eles.
Um relatório sobre as atividades da CIA relacionadas ao fenômeno UFO, elaborado pelo historiador Gerald K. Haines, revela que esta agência realmente esteve envolvida em um esforço para encobrir relatos de avistamentos de discos voadores durante a década de 50. Em 1955, a CIA deu início aos vôos do U-2
 (e, posteriormente, do SR-71), um avião secreto utilizado para reconhecimento a alta altitude. 
Voando a alta velocidade a 60.000 pés e pintado inicialmente na cor prata, o U-2 foi responsável por mais da metade dos supostos avistamentos de UFOs no final da década de 50 e início da década de 60. Além de não poder divulgar a verdadeira natureza destes avistamentos, para não expor o U-2, a CIA enviou agentes para coletar fotos e gravações obtidas por testemunhas.
Desta forma, é possível que o folclore do M.I.B. tenha sua origem nestes eventos reais. Isto explicaria sua descrição - homens usando ternos pretos em grandes carros negros, com uma forma mecânica (ou seria burocrática?) de se portar - o estereótipo do agente do governo americano daquela época. Mas o seu crescimento foi certamente alimentado pela imaginação, desonestidade e/ou brincadeiras de muitas pessoas.
Tomemos Gray Barker, por exemplo, um dos grandes cultivadores do mito. Segundo John Sherwood, um de seus colaboradores, Barker atingiu a fama inventando alguns relatos, aumentando outros e incentivando outras pessoas a fazê-lo: "Gray Barker ... não se importava se as histórias de discos voadores sensacionais que publicava eram inventadas - desde que elas fossem apresentadas como fato. Para ele era tudo uma grande brincadeira."
James Moseley também revelou a verdadeira natureza das histórias de Barker, de quem era amigo desde 1954, após a morte deste em 1984: "O público tem o direito de saber quantas fraudes de UFOs existem, como são fáceis de se armar e o que isso mostra sobre a ingenuidade do campo da ufologia". Moseley participou de várias fraudes com Gray Baker, incluindo a produção de documentos "oficiais" do governo americano e filmes falsos de UFO. Suas experiências neste campo são descritas no livro "Shockingly Close to the Truth: Confessions of a Grave-Robbing Ufologist".
E quanto ao relatório Krill, que além de informações sobre os M.I.B. "explica" vários outros fenômenos, como as mutilações de animais? Outra fraude, uma brincadeira armada por John Lear (filho do engenheiro aeronáutico Bill Lear, criador do Learjet). Alegando que suas conexões com o governo americano haviam permitido que obtivesse documentos secretos da Força Aérea, publicou este relatório falso em um BBS voltado para fenômenos paranormais.
Conclusão
Bem, é claro que apesar de todas as fraudes existentes sobre este assunto, alguém sempre pode acreditar que os M.I.B. realmente existem e têm feito um excelente trabalho de encobrir seus rastros. Por outro lado, considerando a impressionante freqüência com que relatos de UFOs são publicados, os M.I.B., se existirem, não me parecem muito competentes em sua missão principal.
Ou talvez os M.I.B. sejam tão eficientes que encobrem totalmente todos os avistamentos de UFOs verdadeiros, o que significaria que todos os casos publicados são falsos.
De qualquer forma, para saberem exatamente quais são os casos reais dignos de sua intervenção (supondo que exista algum), os M.I.B. precisariam ter pelo menos um bom contato com os alienígenas visitantes ou então serem eles mesmos alienígenas. Neste caso, sinto-me decepcionada. Para uma civilização tão avançada a ponto de conseguir viajar de uma estrela distante até nosso planeta, eu esperaria métodos mais inteligentes de cobertura do que mandar agentes com cara de mau fazerem ameaças verbais de porta em porta...
Máteria gentilmente cedida por Alexandre T. Castro, do site Projeto Ockham

                                           Veja o Vídeo Abaixo:


                                                Fonte:RealMiBs

Nenhum comentário:

Postar um comentário